Sumiço, férias e um produto da Korres

Como dizem, quem é vivo sempre aparece! Então senta que lá vem história…

Eu comecei esse ano cansada. 2019 começou pesado, eu só queria marcar meus vinte dias de férias, planejar esses dias de folga tranquilamente. Mas não foi nada disso que aconteceu. Aliás, foi. Só não foi nada tranquilo rs.

Em fevereiro eu descobri que não iria conseguir tirar férias em abril por uma série de coisas do trabalho. Em fevereiro meu marido descobriu que tinha que marcar as férias urgentemente, mas só poderia ser depois da segunda semana de março. Mas eu tinha que voltar antes de abril. Praticamente na última semana do segundo mês do ano fechamos as férias para o dia 11 de março.

3 semanas para organizar 20 dias de férias. EU AMO ORGANIZAR FÉRIAS. Mas a gente não tinha ideia do que fazer, eu sugeri Maragogi, minha ideia de férias era sol e all inclusive. Não tinha data no hotel que a gente queria.

O Léo sugeriu Atacama. Passagem ok, passeios caros, não era a época que a gente queria ir. Vimos Cidade do México, Cancún, Paris, Roma.

Roma! Preço maravilhoso de passagens, vamos comprar? Amanhã a gente compra, tá tarde.

No outro dia estava O DOBRO DO PREÇO. Exatamente o dobro. A gente queria morrer, mas paciência. Tudo estava caro.

Dois dias depois, ainda com um resquício de esperança e as passagens estavam lá de novo! Comprei entre uma ligação e outra no meio do expediente. 16 dias na Itália!

Faltavam 15 dias pra data do embarque.

O que a gente vai fazer? Pra onde vamos? Onde ficaremos?

Não sabíamos! Por isso meu sumiço, muita ansiedade. Muita coisa para deixar encaminhada no trabalho. Tantos planos pra fazer!

Nosso primeiro passo foi ver vídeos de roteiro na Itália e fechamos: Milão, Veneza, Florença, Toscana, Roma.

Dividido os dias, vamos ver passagens de trem. Caras. BEM CARAS. Vimos que tinha um desconto de 30% em cada passagem e valia até meia noite do domingo. Era domingo, então tranquilo. AI PENSEI, MEIA NOITE DA ITÁLIA, NÉ? Faltava uns 20 minutos. Compramos os trechos Roma/Milão, Milão/Veneza e Veneza/Florença nesses minutos e VALEU muito a pena.

Primeira dica que eu posso te dar sobre a Itália é: Compre as passagens de trem com antecedência. Fique de olho no site Trenitalia sempre tem algum tipo de promoção.

Fechado isso, o nosso já reservamos nossos hotéis no nosso amigo Booking e a última parada em Roma no Airbnb.

E foi isso. Fomos na cara, coragem, poucos passeios marcados e uma vontade louca de conhecer esse mundão ❤

Sem grandes perrengues (mesmo com Mercúrio retrogrado!) lugares lindos, comidas maravilhosas e o melhor companheiro de viagem do mundo ❤

Obviamente que depois eu conto mais, mas pra aproveitar esse post cheio de assunto. Como a viagem teve vários destinos, fomos só com uma mala grande e as de mão. Minha necessaire com os produtos que uso diariamente é grande, pesada. Nem pensei em levar ela completa para a viagem.

Então tive que fazer uma “curadoria” do que seria essencial. Para a pele a primeira coisa que peguei foi o protetor solar da Bioré. A vitamina C que eu falo no post do link já tinha acabado e no lugar comprei esse sérum da da Korres. Então fui na fé e coragem e só levei esses dois produtos de cuidado com a pele na mala.

Esse sérum é de Rosa Mosqueta, se você acompanha o mundo do skin care, sabe que esse ingrediente é uma febre das peles maravilhosas. Eu comprei ele na promoção por 59, o preço normal é mais de 100 reais.

Primeiro, eu amo os produtos da Korres. Eles são naturais, sem corantes e não testam em animais!

A marca fala que ele é um Tratamento Cosmético Corretor de Marcas Escuras com vitamina C e óleo de Rosa Mosqueta. Que minimiza marcas escuras e iguala o tom da pele. Proporcionando brilho radiante e uma pele saudável

Ele a textura é bem leve, o cheiro é de rosa. Eu não amo, mas passa logo. Minha pele, principalmente durante a viagem, estava bem seca, então eu passava de manhã e antes de dormir. Normalmente eu uso ele antes do hidratante, minha pele absorve bem rápido. Mas acredito se sua pele for oleosa, talvez ache ele pesado, sabe?

A pele fica com uma textura macia e bem radiante. A Korres diz que os resultados são visíveis após da 12º semana de uso contínuo. Eu não vi nenhum milagre, mas ele fez o papel de sérum e hidratante noturno lindamente! Se verem ele na promoção, podem investir!

Não sumo e já já volto com dicas lindas da Itália ❤

Pela ZL – Cadillac BBQ

Se tem uma hamburgueria que vale a pena conhecer na Mooca é a Cadillac Burger, já falei sobre ela aqui, o que vocês talvez não saibam, é que ela tem um “irmão” com sotaque texano.

Localizada em uma tranquila e escondida Borges de Figueiredo, número 60, fica um dos restaurantes mais legais de SP. Fazia tempo que eu não entrava em um lugar e ficava sem palavras. Fomos em um comecinho de noite e ficamos na área externa que é uma delícia! Tem até um ônibus estilizado. Todos os ambientes são demais!

O cardápio é bem enxuto! Ficamos na dúvida se pedíamos uma entradinha, mas recomendaram, aliás atendimento maravilhoso! Pedir primeiro pelo menos um Combo Barbecue, que é o carro chefe da casa e custa 55 reais. Para beber há diversas ótimas cervejas artesanais, na faixa dos 30 reais e eles trazem amendoim para acompanhar.

Assim que chegou nosso combo eu já gostei! Ele vem com costelinha de porco, Brisket que é peito bovino, linguiça, frango, mac n’cheese, cole slaw, feijão agridoce, picles, broa de milho e pão.

É muito difícil saber por onde começar, tudo é MUITO saboroso, a única coisa que não achei notável foi a linguiça. Agora a costelinha, o brisket, que é muito diferente e saboroso são maravilhosos! Os acompanhamentos são ótimos também, o mac n’cheese é o melhor que já comi, melhor até que o meu que é maravilhoso hahahahaha e o feijão agridoce que pode soar estranho, eu amei também, amo feijão de qualquer jeito.

O combo não satisfaz duas pessoas com fome não, como era o nosso caso no dia, então pedimos mais uma costela. Sabe a do Outback? Esquece, essa é muito melhor, mais macia e muito bem temperada, custa 48 e achei justo! A batatinha e a saladinha que acompanham também são bem gostosas.

Acho o preço do combo alto, mas vale a pena para experimentar. Tudo é maravilhoso, as músicas são ótimas também. Se você quiser conhecer um lugar totalmente diferente em SP, esse lugar é o BBQ!

Indicações nada óbvias na Netflix

Pelo menos aqui em SP, o final de semana promete um tempo feio e chuvoso. Com o fim do horário de verão (tristeza!) teremos uma hora a mais para aproveitar o sofá! Pode comprar a pipoca e o vinho e se preparar para as maratonas!

Safe – Essa série é do muso, maravilhoso, Harlan Coben. Se você ainda não leu nenhum livro dele, leia. Pode ser qualquer um, são todos maravilhosos e não conheço ninguém que não goste dele. A sinopse é a seguinte, após desaparecimento de sua filha mais velha, um cirurgião viúvo (o ator do Dexter) faz descobertas terríveis sobre pessoas bem próximas. A série tem 8 episódios de puro suspense, mistérios e reviravoltas e tudo mais que você pode esperar do Coben.

Anne with an E – Pensa em uma série apaixonante, baseada no livro Anne de Green Gables, de Lucy Maud Montgomery, publicado em 1908, a série canadense Anne with an E (Anne com E, em português) é a história de Anne Shirley, uma garota adotada por engano por um casal de irmãos, que na verdade queria um garoto para trabalhar na fazenda. É impossível não amar a Anne, a atriz principal é apenas incrível! Mas não é só ela, a série tem uma fotografia linda, dá pra rir, chorar, se indignar. Tem duas temporadas e a 3º deve estar a caminho!

A Maldição da Residência Hill – Essa indicação é para quem gosta de terror de verdade. Eu sempre assisti filmes do gênero, sempre me achei tranquila sem grandes medos, MAS GENTE! Preparem-se para inúmeros sustos. A história é de uma família com cinco irmãos que
dividida confronta memórias assustadoras do antigo lar e dos eventos aterrorizantes que os expulsaram de lá. A edição é maravilhosa, o enredo é ótimo, mesmo com todos os sustos. Preste bastante atenção, a série é toda alinear. Tem apenas uma temporada.

Bates Motel – Essa série já terminou e tem na íntegra na Netflix. Ela é baseada no famoso filme Psicose e começa com a Norma Bates comprando um hotel em uma pequena cidade para recomeçar a vida ao lado do filho Norman. Os dois mantêm uma complicada e intensa relação. São 5 temporadas e tanto a Norma, quanto o Norman são atores/personagens incrivelmente complexos do começo ao final da série. É pesada, mas vale a pena!

Ozark – A série já começa ótima! A história é de um consultor financeiro leva a família para uma pequena cidade para lavar quinhentos milhões de dólares de um cartel de drogas. Lembra um pouco Breaking Bad, só que menos genial, porém com atores notáveis. O principal,
Martin Byrde, interpretado pelo famoso Jason Bateman e sua esposa Wendy, estão entre os melhores personagens de todas as séries. A Wendy só melhora. São duas temporadas e vale a maratona.

Love – É leve, é engraçado, cada episódio dura 20 minutos e conta a história da Mickey e do Gus, que são completamente diferentes e vivenciam emoções e agonias de um relacionamento. Às vezes você se identifica com o Gus, às vezes com a Mickey, às vezes você odeia os dois. Também há outros ótimo personagens a Bertie, a roommate da Mickey.

Santa Clarita Diet – Prepare o estômago e para boas risadas!
Protagonizada por Drew Barrymore (sempre linda e ainda mais linda na série) e Timothy Olyphant, o ator mais engraçado do mundo! A série conta a vida da família Hammond, que tem sua vida virada de cabeça para baixo quando Sheila, a matriarca, se trona um “zumbi”, sem cair no clichê, com episódios curtos e divertidos. A terceira temporada chega no final de março e eu já estou ansiosa!

The Crown – A série é uma história biográfica sobre o reinado da Rainha Elizabeth II do Reino Unido. Tem história, tem drama, tem os figurinos e os cenários mais lindos da Netflix. Pode dar um certo sono, já que não tem grandes aventuras e acontecimentos, mas eu gostei bastante.

Documentários

Chef´s Table – Quem gosta de uma boa gastronomia, vale a pena assistir. Meus episódios favoritos são da primeira temporada, o Massimo Bottura e o Francis Mallmann (esse é muito louco/incrível) e da segunda temporada o do Grant Achatz e do Alex Atala, que eu já revi algumas vezes e é simplesmente magnífico. Se tem fotografia e imagens mais lindas do que no Chef’s Table, eu desconheço!

Somm –   Quatro sommeliers se arriscam fazer o curso para o prestigioso e quase impassável exame que dá direito ao título de Mestre em Vinhos. Gente, é muito legal! Sério, eles levam o vinho a outro patamar. São dois ou três documentários sobre o tema e todos são bons!

 Um filme – Só um porque minhas outras indicações são bem clichês

Um Contratempo – Eu indico esse filme para TODO MUNDO e quem assiste fica chocado o quanto ele é incrível. Tudo começa quando Adrian desperta em um hotel, e encontra sua amante morta coberta de dinheiro. Ele recorre a melhor advogada de defesa, e eles tentam descobrir o que realmente aconteceu na noite anterior. Simplesmente assistam é um suspense maravilhoso, o melhor filme disponível na Netflix.

Séries que ainda não terminei, mas estou gostando: Outlander, Grey’s Anatomy (não vou terminar nunca porque ainda estou na segunda temporada) de Good Place (quase no final os episódios são curtos e engraçados!), Scandal, queria ser a Olivia Pope? Queria! Mas tenho paciência para ela? Não!

Pela ZL – Jeronimo Burger

Como o dia mundial de começar a dieta já passou, na terça já podemos falar de hambúrguer, né?

O Jeronimo é uma criação do Junior Durski. Mas quem é ele? É o criador do famoso Madero (aquele que se autointitula como o melhor hambúrguer do mundo!) eu realmente amo o lanche deles, logo achei uma ótima ideia abrir uma lanchonete dedicada apenas aos burgers.

Fui na unidade do Shopping Anália Franco, mas aqui em SP tem no West Plaza também. O ambiente é bem parecido com aqueles containers do Madero que são só para hambúrgueres, sabem?

Só que um bom espaço, no dia que eu fui estava bem tranquilo (24 de dezembro!), mas acredito que deve lotar nos finais de semana. O sistema para pedir é todo automático, você vai na telinha e escolhe tudo que você quer, sem erro e rapidinho.

Pedi o Cheese Burger que custa 19 reais – Pão brioche toasted, hambúrguer com efeito smash, queijo cheddar derretido, alface, tomate e maionese artesanal do chef. Vi que já opções com frango e vegetariano também!

O efeito smash, segundo eles mesmos é ” O segredo do nosso smash está na quantidade perfeita de carne, que recebe o calor da chapa de aço carbono em altíssima temperatura, prensada pelo tempo exato, criando uma casquinha por fora, que faz com que a carne segure toda a sua suculência, seu sabor e suas melhores características”.

Também pedi uma porção de batata por 5 reais, que é ótima, achei o preço muito justo! Maionese, e uma pink lemonade, tudo deu uns 30 e poucos reais.

Uma coisa que não entendi no Jeronimo, é que no hambúrguer do Madero a coisa mais maravilhosa e diferente é o pão, que é francês e é apenas um dos melhores pães do mundo! Ai sabe o que eles fizeram? NÃO TROUXERAM O RAIO DO PÃO MARAVILHOSO! Por que, gente?

Sobre o hambúrguer, é bom, nada inesquecível, a maionese vocês podem passar. O Katchup é o mesmo do Madero, ou seja é muito bom!

Vale a pena conhecer e pela qualidade achei o preço bom, quase igual o do MC, então vale a pena. Só não espere nosso querido pãozinho!

Tetralogia Elena Ferrante (e porque ela é essencial na sua vida)

Janeiro foi tão longo que deu para ler os quatro livros da Série Napolitana, da autora Elena Ferrante. 

Fui bastante relutante em começar a tetralogia. Já contei aqui que eu comecei umas duas vezes e desisti. O primeiro livro Amiga Genial começa com o sumiço de Lila Cerullo que desapareceu sem deixar vestígios. Lenu, ou Elena Greco sabe que desaparecer sempre foi um desejo da amiga, a ideia dela era se dissolver, como se nunca tivesse existido.

Para se agarrar a memória da amiga, e de si mesma, Elena escreve e descreve lindamente tudo o que ambas viveram. Da infância pobre em um dos bairros mais perigosos de Nápoles até a velhice.

Mas Gabi, como uma história de uma amizade rendeu quatro livros e milhões de livros vendidos no mundo?

Pode parecer um romance raso sobre as experiências e vivências de duas mulheres durante a vida, mas a narrativa criada pela autora vai muito além do que eu posso te contar, ou pela sinopse dos livros. A história começa na segunda metade do século XX, em uma Itália devastada pós-guerra, é nesse contexto que Elena Ferrante nos apresenta os personagens, não apenas as famílias Cerullo e Greco, mas também os Solara, os Caracci, os Airota, os Sarratore. A escrita de Ferrante é capaz de inserir uma infinidade de personagens ao longo dos quatro livros, com naturalidade, mesmo em dinâmicas complexas, sem nunca perder o foco em Lila e Lenu.

Sinceramente, eu não sei como te convencer, como essa série de livros pode ser essencial na sua vida. Mas acredite em mim, ELA É! hahahahah 

Apesar de se passar na Itália, para mim ela foi um panorama de assuntos e movimentos importantíssimos da década de 50 até os anos 2000 no mundo todo. Quando eu falo isso, quero dizer que, durante os livros nos deparamos como:

  • O estudo não era obrigatório, pelo contrário, era um privilégio poder continuar na escola, se fosse mulher então, algo raríssimo (a Lenu conclui a graduação, já a Lila mal termina o primário);
  • Violência contra a mulher era não só normal, mas algo bem visto pela sociedade para “endireitar” a esposa, filha, etc, etc;
  • Aliás a violência permeia a história inteira, do começo ao fim;
  • Casamento precoce? Normal! A Lila casa aos 16 anos;
  • Virgindade? Deveria ser mantida até o casamento, na faculdade, Lenu sofre pelas escolhas que fez;
  • Divórcio? Ambas são ignoradas pela família após saírem de um casamento.

Acredito que a tetralogia é basicamente um relato completo e complexo da tentativa de Lila e Lenu, cada uma a seu modo, de se libertarem da vida miserável, da exploração e violência à qual nasceram fadadas.

Entre relatos da vida, vemos nascer o fascismo, o comunismo e o crescimento da Camorra (organização criminosa italiana). Vemos também a consciência de uma coisa linda chamado feminismo. É a transição da exploração, violência cotidianas para a independência, com todas as suas dores e delícias.

É um livro sobre privilégios também. Duas pessoas que saíram do mesmo lugar, uma com a possibilidade de estudar e a outra precisando casar para sustentar uma família. Vemos durante os livros como isso reflete na experiência de vida de cada uma, o que eu achei incrível.

Falei muito sobre o contexto dos livros e pouco da história. O que eu posso te falar é que eu não mudaria uma vírgula dos livros. É uma mistura de romance com um rico detalhamento histórico, sobretudo é uma história de muitas vidas. Me lembrou, pela complexidade, Cem Anos de Solidão, mas pode ser coisa da minha cabeça e pela quantidade de personagens.

Se você terminou esse texto pensando, AH QUERIA TANTO LER, MAS NÃO TENHO TEMPO, JÁ QUE SÃO QUATRO LIVROS, te respondo, eu também não tenho tempo. Eu também trabalho, tenho tarefas do lar, faço academia.

Todos temos tempo para o celular, certo? É só dosar essa atenção para a leitura. O maior inimigo do livro não são os dispositivos digitais de leitura, mas sim, o tempo desperdiçado diariamente com as redes sociais.

PS: Quando terminei o primeiro livro supus que era uma biografia da própria autora, já que ela é Elena, assim como a Lenu e pesquisando descobri que a identidade da autora é uma incógnita! Ninguém sabe direito quem é ela, mas fato que a pessoa Elena Ferrante não existe, é apenas um pseudônimo que ninguém sabe ao certo de quem. PS2: A HBO lançou no ano passado uma série sobre os livros QUERO ASSISTIR!

Macaxeira – Pela ZL

Esse título poderia ser: “O Mocotó da ZL”, “O melhor restaurante nordestino da ZL”, “A melhor caipirinha da ZL” !

No final do ano passado, depois de almoçar em um rodízio japonês (ou seja comer demais!) estávamos andando pelo Tatuapé, vimos um restaurante com mesas externas, estava um solzinho bom e não esse calor de matar de agora, resolvemos parar para tomar uma cerveja.

Quando vi o cardápio do Macaxeira Restaurante Bar e Cachaçaria já me arrependi amargamente de NÃO termos ido almoçar lá. Simplesmente fiquei com vontade de tudo que eles servem, mas como não tinha mais espaço no estômago, dei uma olhadinha nas caipirinhas e vi opções maravilhosas!

A nega é minha e ninguém tasca é feita com cachaça envelhecida em umburana, limão tahiti, limão siciliano e rapadura. E simplesmente é a melhor caipirinha da vida, sem nenhum exagero. Também provamos a de Três Limões e a Flor do Serrado, com morango tangerina, maracujá e limão, também maravilhosas! Nada de pedir com vodka, viu? A cachaça é a estrela da casa. Para melhorar de segunda a sexta das 17h às 20h as caipirinhas vem em dobro, o preço normal delas é R$24,90.

Voltamos em outras duas ocasiões (em menos de uma semana!) para comer, uma vez pedimos só entradinhas. O Dadinho de Tapioca é bem gostoso, a meia porção custa R$17,90. O torresmo, eu nem sei o que te falar, mas acho que não tem nada tão gosto no meu país Zona Leste por 12 reais! Vale muito, peçam!

No domingo fomos almoçar e além do torresmo, pedimos uma Favada pequena, R$18, que é a favada mais gostosa que já provei. A Carne Seca Desfiada com Cebola Roxa, vem acompanhada de mandioca e abóboras assadas. A porção serve 2 e custa 59 reais. Eu amei tudo e ainda quero provar o escondidinho, o caldo de feijão, o baião de dois…

E eu sei que eu tô parecendo exagerada nesse relato, MAS GENTE! EU COMERIA LÁ TODOS OS DIAS! hahahahaha Se você já foi no famoso Mocotó e tá achando o cardápio bem parecido, você está certíssimo!

Fomos no famoso e maravilhoso restaurante da Vila Medeiros perto do Natal e é mesmo tudo isso que falam, mas se você não quiser ir até lá, posso te garantir que o Macaxeira não fica abaixo na qualidade e sabor, e arrisco dizer que a Carne Seca Desfiada e a Favada são ainda mais gostosas do que o seu irmão prestigiado rs.

Olhando no site descobri que há outras unidades em SP e Guarulhos. A do Tatuapé é a Matriz e fica na Rua Emilia Marengo, 185. Vão e me agradeçam! 

 

Frank Bar – Tem que ir pelo menos uma vez na vida!

Se você mora em SP e assim como eu ama ler o guias, você já deve ter ouvido falar do Frank Bar, ele fica no lobby do (conhecido, porém decadente) Maksoud Plaza uma rua atrás da avenida Paulista, próximo do metrô Trianon – Masp.

O nome é uma homenagem ao Frank Sinatra, que já se apresentou no hotel. Eu não esperava que o ambiente fosse aberto, isso me decepcionou um pouco, porque ele é bem intimista, retrô, imaginava algo fechado, mas ele fica aberto para o lobby, inclusive a música é tocada do lado de “fora” do bar.

A música é um espetáculo a parte, fui em uma sexta-feira, lá pelas 20h e era uma dupla que tocava e cantava blues lindamente, o couvert é bem baratinho, 10 reais e achei que vale muito a pena. Aliás, cheguem cedo! Lá pelas 22h não havia mais lugares disponíveis.

Mas vamos ao que interessa? O Frank Bar ganhou toda sua notoriedade por causa da sua carta de dinks, eu não sou a maior fã/especialista, mas sai de lá encantada!

Se tiver a oportunidade, o melhor lugar para sentar é no balcão e apreciar como as bebidas são preparadas. Os barmans são atenciosos, principalmente o Marlon, que é um querido e me explicou sempre que tive curiosidade, no meu caso, toda hora rs. Por exemplo, esse Cosmopolitan não está na carta, mas uma mulher pediu e foi feita um releitura, perguntei e acabei pedindo um, que é TOTALMENTE diferente de tudo que já tinha provado. E eu que nem sou fã/especialista de drinks fui totalmente fisgada!

Eu não tirei fotos do cardápio porque eu esqueci, aliás eu já falei que tenho vergonha de ter um blog, né? Então sempre travo na hora das fotos. E também não sei o nome dos drinks por motivos de: ficava de olho no preparo e quando um me chamava a atenção eu perguntava o que era e pedia. Provei 3 drinks, com o preço médio de 30 reais e no final comemos um porção de pastelzinho metade carne de pato (delícia!) e outra metade de brie com geleia (acho que era isso!) que foi uns 40 reais.

Foi uma noite maravilhosa, não é um lugar para ir toda semana, mas vale a pena ir pelo menos uma vez nessa vida!