Pela ZL – Osteria Del Rosso

Feriadão chegando e quem vai ficar pela cidade tem uma nova e boa opção de osteria italiana na ZL.

Localizada em uma esquina da movimentada da Itapura, a Osteria Del Rosso chama atenção com a sua fachada bonita. Por dentro a decoração segue a mesma linha industrial, intimista, escurinha em um espaço não muito grande. A cozinha fica aberta e isso é bem legal.

O atendimento foi ótimo do começo ao fim. Pra começar a noite pedimos uma Burrata, apesar de não ser grande, é deliciosa e vem super bem apresentada, acompanhada de tomates confit e azeite. Esse pão, é massa de pizza e é umas das coisas mais deliciosas que provei nos últimos temos. Vale a pena pedir!

Os pratos principais foram, um Mare e Monti pro Léo e uma Pizza Diavola pra mim.

Eu não lembro se já tinha provado antes um prato que juntasse terra e mar. No primeiro momento pode parecer estranho juntar filé mignon com camarão, mas esse prato é maravilhoso! O camarão era de chorar de tão bom, sério!

Eu pedi a pizza Diavola porque eu simplesmente fiquei apaixonada por esse sabor na Itália (pareço rica, mas sou da ZL, viu?). O forno da Osteria é napolitano com temperaturas superiores a 450°! E gente, a massa é igualzinha a da terra da pizza, IDÊNTICA. O sabor era bom. Mas se fosse comparar, falta molho. Eu amo molho de tomate e os italianos também, aqui no Brasil é sempre uma menisquência desse ingrediente em qualquer lugar, uma pena.

Na Osteria o apimentado vem do jalapeño, lá o molho já vem com a pimenta e com a linguiça. Se é uma pizza ruim? Pelo contrário, é muito boa. Mas falar que é a legítima pizza napolitana é um pouco de exagero. Vou deixar uma foto pra ilustrar o que eu estou falando.

Vale lembrar que a carta de vinhos é bem boa e há garrafas com preços justos.

Voltaria na Osteria, mais pelos pratos do que pela pizza.

Diavola Italiana

Accademia Del Buon Gusto – A melhor experiência na Toscana

Eu tô devendo um milhão de posts sobre a Itália, mas não consegui organizar as fotos câmera/gopro/celular. Aí fico com preguiça de escrever sem ter as fotos certinhas.

Mas ontem vimos um episódio da sexta temporada Chef’s Table do Dario Cecchini, um simpático açougueiro da Toscana. O restaurante dele fica em Panzano in Chianti, nós estávamos hospedados em Grave in Chianti que fica bem pertinho, olhando as imagens morremos de saudade de um dia frio e chuvoso que pegamos o carro para passear sem rumo por Panzano. E foi um dos melhores dias da minha vida ❤

Primeiro fomos em uma vinícola, a Panzarello. Que parecia estar fechada, paramos o carro, ficamos olhando e apesar de estar vazia fomos recebidos com muita simpatia. Fizemos uma degustação de vinhos e azeite e trouxemos uma garrafa. Já estávamos felizes, mas ainda havia tempo até o almoço. Dei uma olhada no Tripadvisor, salvador da pátria em viagens! E vi que a experiência em primeiro lugar era a Accademia del Buon Gusto.

Sem entender muito bem o que era lá fomos nós! Chegando em uma rua linda estreita e íngreme, fica a simpática e pequena entrada da Accademia del Buon Gusto. Novamente, apesar de ser uma segunda-feira chuvosa e estar vazio, fomos atendidos com a maior simpatia do mundo pelo Stefano, dono do lugar e a maior figura da Itália toda.

O lugar é pequeno e literalmente abarrotado de garrafas de vinhos, logo no início ele nos falou que tinha que ir para Florença em uma hora e meia, aproximadamente, mas mesmo assim faria com a gente a degustação de cerca das 25 rótulos de vinho, todos produzidos em Chianti, além de azeite e chocolates.

Com seu todo seu aparato, seu peculiar chapéu e avental personalizado, cada vez que as taças tilintavam Stefano nos dizia: Wine O’ Clock! Com seu seu ritual cômico e super informativo, ele servia um vinho para o meu marido e outro para mim e nos explicava qual provar primeiro, os aromas, a história da vinícola, sempre acompanhado com crônica das gravuras de um amigo que ele também vende por lá. E assim fomos provando e nos apaixonando por uma infinidade de vinhos. Começamos com os brancos e fomos para os tintos, azeites (os melhores que já provei, porém INFELIZMENTE esquecemos de comprar!), grapa e finalizando com um creme de avelã trufado que era uma coisa maravilhosa!

Mesmo com horário apertado ele não nos apressou em nenhum momento, pelo contrário. Quando falamos que queríamos comprar os vinhos, ele falou que isso era o menos importante, que apenas gostaríamos que a gente tivesse gostado da experiência e que voltássemos um dia.

Mas como sair sem levar vinhos de um lugar tão especial? Compramos três garrafas, um branco, diferente de tudo que já provamos. Um tinto que ele que ele tinha só três exemplares e ele ainda deixou a gente escolher o número de série. E o mais especial, o vinho do próprio Stefano, que além do blend de uvas, também produziu o rótulo e não pelo valor, e sim, pela lembrança, pela experiência e pela história se tornou a garrafa mais valiosa que trouxemos da nossa viagem! Vale lembrar que a degustação não é paga, mas é de bom grado comprar pelo menos um vinho!

Se você for para essa região da Itália faça o favor de visitar o Stefano e voltar cheio de vinhos e histórias pra contar ❤

Itália – Nosso Roteiro e Pontos Turísticos

Como falei no post sobre as férias, eu amo essa parte pré viagem para organizar tudo, desta vez era pouco tempo, mais coisas para pesquisar, então foquei no básico para não enlouquecer. Cidades e principais pontos turísticos que precisam ser comprados com antecedência.

Sou apaixonada pelo Google Drive e foi lá mesmo que eu fiz esse calendário tosco, porém muito útil para termos um bom panorama dos nosso dias de viagem.

Nosso calendário

O primeiro passo foi definir as cidades que iríamos. Nosso voo era ida e volta por Roma, então decidimos partir para Milão no começo da viagem. Não quisemos pegar o trem pra Milão no mesmo dia com medo do voo atrasar e perdermos o horário da partida, também por cansaço de ter que encarar mais 3 horas e meia no trem depois de um voo longo.

Roma

Chegamos domingo cedinho (depois vou fazer um post só com os meios de transportes que usamos). Fizemos uma horinha e fomos para o hotel descansar. No mundo perfeito, a gente estaria descansado, só tomaríamos um banho e partiu conhecer Roma. Mas na real é que estávamos tortos depois de 12 horas de voo em que mal dormimos.

Lá pelas 15h saímos para passear, nesta primeira parada em Roma ficamos perto da estação Termini, também vou fazer um post sobre todos os hotéis que ficamos, mas já adianto que TODOS menos na Toscana e em Roma parte 2 a nossa prioridade foi ficar perto das estações de trem e foi uma ÓTIMA ESCOLHA.

Neste primeiro dia em Roma foi bem livre, visitamos o Panteão, a Praça Navona e Fontana di Trevi, tudo gratuito e tudo maravilhoso. A Fontana foi nosso primeiro ponto turístico, totalmente perdidos indo para o Panteão, do nada vimos uma multidão, “O que tá acontecendo?!” E lá estava ela, chorei. Chorei, agradeci e ela é mais impressionante que qualquer foto, indescritível esse momento! Durante a viagem fomos diversas vezes lá, e claro, jogamos nossa moeda para garantir a nossa volta!

Milão

Sobre Milão, não é um lugar que amamos. O Duomo é inexplicável, recomendo a ida até Navigli, que é uma região de bares que mesmo em uma segunda-feira de inverno estava lotada. Também acho a experiência de beber um Aperol Spritz, olhando para a catedral é indispensável. Mas só. É uma cidade enorme e foi a única que nos passou uma sensação de insegurança durante toda a viagem. 

Resumo: Se quiser manter a cidade no roteiro, saiba que uma noite é o suficiente!

Veneza

APAIXONANTE! Há nesse mundo vasto da internet quem tenha pavor da cidade. Ela é turística sim, dizem que no verão lota, então recomendo a época que fomos, estava bem ok. Não fizemos nada de especial, não andamos de gondôla, mas fizemos um Free Walking Tour para conhecer um pouco mais da história, nos perdemos inúmeras vezes e tivemos uma vista linda no terraço de um shopping rico chamado Fondaco dei Tedeschi. Também jantamos duas vezes em um dos melhores restaurantes de toda a Itália ❤ (também vai ter post de restaurantes!)

Resumo: Cidade linda, dá para passar uns três dias apenas admirando a beleza.

Florença

Tivemos 24 horas corridas em Florença, de lá partimos para Chianti. Mas deu para aproveitar um pouco da cidade, além do Duomo e da famosa (e assustadora) subida até a cúpula. Conhecemos a Ponte Vecchio, Piazza della Signoria e comemos o melhor panini de toda a viagem.

Resumo: Moraria em Florença!

Chianti

Nossa base na Toscana, nosso momento de descanso na viagem ❤ ficamos três noites no melhor hotel da vida (vai ter post dos hotéis também!) É uma região que vale a pena ir, as estradas da Toscana parecem uma pintura.

Resumo: Quando eu for rica vou ter uma vinícola em Chianti!

Roma – Parte 2

Pegamos um apartamento pelo Airbnb no MELHOR BAIRRO DESSA CIDADE! Trastevere ❤
Castel Sant’ Angelo, que não tinha lido nada antes e foi uma surpresa maravilhosa, recomento MUITO a visita. Fizemos um Free Walking Tour, Vaticano, com seus museus, sua basílica, Capela Sistina e a oportunidade única de ver o papa. Coliseu, Fórum Romano, centenas de igrejas maravilhosas e as melhores pizzas e gelatos do mundo! Ficamos os últimos 5 dias e daria para passar um vida lá!

Resumo: Ficamos os últimos 5 dias e daria para passar um vida lá!

Pontos Turísticos – Ingressos

Sobre os pontos turísticos os que compramos com antecedência pelos sites oficiais foram:

Lugares que não conseguimos visitar porque já estavam esgotados:

Milão – A última Ceia do Da Vinci (esse precisa comprar os ingressos COM MESES DE ANTECEDÊNCIA!)

Roma – Visita completa do Coliseu com subterrâneos e Belvedere – Triste demais! Porém voltaremos para fazer (né, amor?!)

Vaticano – Túmulo de São Pedro e Necrópole, também precisa ser reservado com muita antecedência!

Mesmo sendo bem dividido e sem deixar nossos dias lotados de compromissos, é importante saber que essa é uma viagem extremamente cansativa. Só usamos táxi uma vez, metrô pouquíssimas vezes. Andávamos em média 15 km por dia. Muitas escadas, principalmente no Duomo de Florença. Quilômetros e quilômetros percorridos puxando malas pelas ruas italianas. Então um tênis confortável, muita água, muitos vinhos, um bom preparo físico, pizzas e no mínimo um gelato por dia são essenciais para fazer essa viagem!