Pela ZL – Cadillac BBQ

Se tem uma hamburgueria que vale a pena conhecer na Mooca é a Cadillac Burger, já falei sobre ela aqui, o que vocês talvez não saibam, é que ela tem um “irmão” com sotaque texano.

Localizada em uma tranquila e escondida Borges de Figueiredo, número 60, fica um dos restaurantes mais legais de SP. Fazia tempo que eu não entrava em um lugar e ficava sem palavras. Fomos em um comecinho de noite e ficamos na área externa que é uma delícia! Tem até um ônibus estilizado. Todos os ambientes são demais!

O cardápio é bem enxuto! Ficamos na dúvida se pedíamos uma entradinha, mas recomendaram, aliás atendimento maravilhoso! Pedir primeiro pelo menos um Combo Barbecue, que é o carro chefe da casa e custa 55 reais. Para beber há diversas ótimas cervejas artesanais, na faixa dos 30 reais e eles trazem amendoim para acompanhar.

Assim que chegou nosso combo eu já gostei! Ele vem com costelinha de porco, Brisket que é peito bovino, linguiça, frango, mac n’cheese, cole slaw, feijão agridoce, picles, broa de milho e pão.

É muito difícil saber por onde começar, tudo é MUITO saboroso, a única coisa que não achei notável foi a linguiça. Agora a costelinha, o brisket, que é muito diferente e saboroso são maravilhosos! Os acompanhamentos são ótimos também, o mac n’cheese é o melhor que já comi, melhor até que o meu que é maravilhoso hahahahaha e o feijão agridoce que pode soar estranho, eu amei também, amo feijão de qualquer jeito.

O combo não satisfaz duas pessoas com fome não, como era o nosso caso no dia, então pedimos mais uma costela. Sabe a do Outback? Esquece, essa é muito melhor, mais macia e muito bem temperada, custa 48 e achei justo! A batatinha e a saladinha que acompanham também são bem gostosas.

Acho o preço do combo alto, mas vale a pena para experimentar. Tudo é maravilhoso, as músicas são ótimas também. Se você quiser conhecer um lugar totalmente diferente em SP, esse lugar é o BBQ!

Indicações nada óbvias na Netflix

Pelo menos aqui em SP, o final de semana promete um tempo feio e chuvoso. Com o fim do horário de verão (tristeza!) teremos uma hora a mais para aproveitar o sofá! Pode comprar a pipoca e o vinho e se preparar para as maratonas!

Safe – Essa série é do muso, maravilhoso, Harlan Coben. Se você ainda não leu nenhum livro dele, leia. Pode ser qualquer um, são todos maravilhosos e não conheço ninguém que não goste dele. A sinopse é a seguinte, após desaparecimento de sua filha mais velha, um cirurgião viúvo (o ator do Dexter) faz descobertas terríveis sobre pessoas bem próximas. A série tem 8 episódios de puro suspense, mistérios e reviravoltas e tudo mais que você pode esperar do Coben.

Anne with an E – Pensa em uma série apaixonante, baseada no livro Anne de Green Gables, de Lucy Maud Montgomery, publicado em 1908, a série canadense Anne with an E (Anne com E, em português) é a história de Anne Shirley, uma garota adotada por engano por um casal de irmãos, que na verdade queria um garoto para trabalhar na fazenda. É impossível não amar a Anne, a atriz principal é apenas incrível! Mas não é só ela, a série tem uma fotografia linda, dá pra rir, chorar, se indignar. Tem duas temporadas e a 3º deve estar a caminho!

A Maldição da Residência Hill – Essa indicação é para quem gosta de terror de verdade. Eu sempre assisti filmes do gênero, sempre me achei tranquila sem grandes medos, MAS GENTE! Preparem-se para inúmeros sustos. A história é de uma família com cinco irmãos que
dividida confronta memórias assustadoras do antigo lar e dos eventos aterrorizantes que os expulsaram de lá. A edição é maravilhosa, o enredo é ótimo, mesmo com todos os sustos. Preste bastante atenção, a série é toda alinear. Tem apenas uma temporada.

Bates Motel – Essa série já terminou e tem na íntegra na Netflix. Ela é baseada no famoso filme Psicose e começa com a Norma Bates comprando um hotel em uma pequena cidade para recomeçar a vida ao lado do filho Norman. Os dois mantêm uma complicada e intensa relação. São 5 temporadas e tanto a Norma, quanto o Norman são atores/personagens incrivelmente complexos do começo ao final da série. É pesada, mas vale a pena!

Ozark – A série já começa ótima! A história é de um consultor financeiro leva a família para uma pequena cidade para lavar quinhentos milhões de dólares de um cartel de drogas. Lembra um pouco Breaking Bad, só que menos genial, porém com atores notáveis. O principal,
Martin Byrde, interpretado pelo famoso Jason Bateman e sua esposa Wendy, estão entre os melhores personagens de todas as séries. A Wendy só melhora. São duas temporadas e vale a maratona.

Love – É leve, é engraçado, cada episódio dura 20 minutos e conta a história da Mickey e do Gus, que são completamente diferentes e vivenciam emoções e agonias de um relacionamento. Às vezes você se identifica com o Gus, às vezes com a Mickey, às vezes você odeia os dois. Também há outros ótimo personagens a Bertie, a roommate da Mickey.

Santa Clarita Diet – Prepare o estômago e para boas risadas!
Protagonizada por Drew Barrymore (sempre linda e ainda mais linda na série) e Timothy Olyphant, o ator mais engraçado do mundo! A série conta a vida da família Hammond, que tem sua vida virada de cabeça para baixo quando Sheila, a matriarca, se trona um “zumbi”, sem cair no clichê, com episódios curtos e divertidos. A terceira temporada chega no final de março e eu já estou ansiosa!

The Crown – A série é uma história biográfica sobre o reinado da Rainha Elizabeth II do Reino Unido. Tem história, tem drama, tem os figurinos e os cenários mais lindos da Netflix. Pode dar um certo sono, já que não tem grandes aventuras e acontecimentos, mas eu gostei bastante.

Documentários

Chef´s Table – Quem gosta de uma boa gastronomia, vale a pena assistir. Meus episódios favoritos são da primeira temporada, o Massimo Bottura e o Francis Mallmann (esse é muito louco/incrível) e da segunda temporada o do Grant Achatz e do Alex Atala, que eu já revi algumas vezes e é simplesmente magnífico. Se tem fotografia e imagens mais lindas do que no Chef’s Table, eu desconheço!

Somm –   Quatro sommeliers se arriscam fazer o curso para o prestigioso e quase impassável exame que dá direito ao título de Mestre em Vinhos. Gente, é muito legal! Sério, eles levam o vinho a outro patamar. São dois ou três documentários sobre o tema e todos são bons!

 Um filme – Só um porque minhas outras indicações são bem clichês

Um Contratempo – Eu indico esse filme para TODO MUNDO e quem assiste fica chocado o quanto ele é incrível. Tudo começa quando Adrian desperta em um hotel, e encontra sua amante morta coberta de dinheiro. Ele recorre a melhor advogada de defesa, e eles tentam descobrir o que realmente aconteceu na noite anterior. Simplesmente assistam é um suspense maravilhoso, o melhor filme disponível na Netflix.

Séries que ainda não terminei, mas estou gostando: Outlander, Grey’s Anatomy (não vou terminar nunca porque ainda estou na segunda temporada) de Good Place (quase no final os episódios são curtos e engraçados!), Scandal, queria ser a Olivia Pope? Queria! Mas tenho paciência para ela? Não!

Tetralogia Elena Ferrante (e porque ela é essencial na sua vida)

Janeiro foi tão longo que deu para ler os quatro livros da Série Napolitana, da autora Elena Ferrante. 

Fui bastante relutante em começar a tetralogia. Já contei aqui que eu comecei umas duas vezes e desisti. O primeiro livro Amiga Genial começa com o sumiço de Lila Cerullo que desapareceu sem deixar vestígios. Lenu, ou Elena Greco sabe que desaparecer sempre foi um desejo da amiga, a ideia dela era se dissolver, como se nunca tivesse existido.

Para se agarrar a memória da amiga, e de si mesma, Elena escreve e descreve lindamente tudo o que ambas viveram. Da infância pobre em um dos bairros mais perigosos de Nápoles até a velhice.

Mas Gabi, como uma história de uma amizade rendeu quatro livros e milhões de livros vendidos no mundo?

Pode parecer um romance raso sobre as experiências e vivências de duas mulheres durante a vida, mas a narrativa criada pela autora vai muito além do que eu posso te contar, ou pela sinopse dos livros. A história começa na segunda metade do século XX, em uma Itália devastada pós-guerra, é nesse contexto que Elena Ferrante nos apresenta os personagens, não apenas as famílias Cerullo e Greco, mas também os Solara, os Caracci, os Airota, os Sarratore. A escrita de Ferrante é capaz de inserir uma infinidade de personagens ao longo dos quatro livros, com naturalidade, mesmo em dinâmicas complexas, sem nunca perder o foco em Lila e Lenu.

Sinceramente, eu não sei como te convencer, como essa série de livros pode ser essencial na sua vida. Mas acredite em mim, ELA É! hahahahah 

Apesar de se passar na Itália, para mim ela foi um panorama de assuntos e movimentos importantíssimos da década de 50 até os anos 2000 no mundo todo. Quando eu falo isso, quero dizer que, durante os livros nos deparamos como:

  • O estudo não era obrigatório, pelo contrário, era um privilégio poder continuar na escola, se fosse mulher então, algo raríssimo (a Lenu conclui a graduação, já a Lila mal termina o primário);
  • Violência contra a mulher era não só normal, mas algo bem visto pela sociedade para “endireitar” a esposa, filha, etc, etc;
  • Aliás a violência permeia a história inteira, do começo ao fim;
  • Casamento precoce? Normal! A Lila casa aos 16 anos;
  • Virgindade? Deveria ser mantida até o casamento, na faculdade, Lenu sofre pelas escolhas que fez;
  • Divórcio? Ambas são ignoradas pela família após saírem de um casamento.

Acredito que a tetralogia é basicamente um relato completo e complexo da tentativa de Lila e Lenu, cada uma a seu modo, de se libertarem da vida miserável, da exploração e violência à qual nasceram fadadas.

Entre relatos da vida, vemos nascer o fascismo, o comunismo e o crescimento da Camorra (organização criminosa italiana). Vemos também a consciência de uma coisa linda chamado feminismo. É a transição da exploração, violência cotidianas para a independência, com todas as suas dores e delícias.

É um livro sobre privilégios também. Duas pessoas que saíram do mesmo lugar, uma com a possibilidade de estudar e a outra precisando casar para sustentar uma família. Vemos durante os livros como isso reflete na experiência de vida de cada uma, o que eu achei incrível.

Falei muito sobre o contexto dos livros e pouco da história. O que eu posso te falar é que eu não mudaria uma vírgula dos livros. É uma mistura de romance com um rico detalhamento histórico, sobretudo é uma história de muitas vidas. Me lembrou, pela complexidade, Cem Anos de Solidão, mas pode ser coisa da minha cabeça e pela quantidade de personagens.

Se você terminou esse texto pensando, AH QUERIA TANTO LER, MAS NÃO TENHO TEMPO, JÁ QUE SÃO QUATRO LIVROS, te respondo, eu também não tenho tempo. Eu também trabalho, tenho tarefas do lar, faço academia.

Todos temos tempo para o celular, certo? É só dosar essa atenção para a leitura. O maior inimigo do livro não são os dispositivos digitais de leitura, mas sim, o tempo desperdiçado diariamente com as redes sociais.

PS: Quando terminei o primeiro livro supus que era uma biografia da própria autora, já que ela é Elena, assim como a Lenu e pesquisando descobri que a identidade da autora é uma incógnita! Ninguém sabe direito quem é ela, mas fato que a pessoa Elena Ferrante não existe, é apenas um pseudônimo que ninguém sabe ao certo de quem. PS2: A HBO lançou no ano passado uma série sobre os livros QUERO ASSISTIR!

Frank Bar – Tem que ir pelo menos uma vez na vida!

Se você mora em SP e assim como eu ama ler o guias, você já deve ter ouvido falar do Frank Bar, ele fica no lobby do (conhecido, porém decadente) Maksoud Plaza uma rua atrás da avenida Paulista, próximo do metrô Trianon – Masp.

O nome é uma homenagem ao Frank Sinatra, que já se apresentou no hotel. Eu não esperava que o ambiente fosse aberto, isso me decepcionou um pouco, porque ele é bem intimista, retrô, imaginava algo fechado, mas ele fica aberto para o lobby, inclusive a música é tocada do lado de “fora” do bar.

A música é um espetáculo a parte, fui em uma sexta-feira, lá pelas 20h e era uma dupla que tocava e cantava blues lindamente, o couvert é bem baratinho, 10 reais e achei que vale muito a pena. Aliás, cheguem cedo! Lá pelas 22h não havia mais lugares disponíveis.

Mas vamos ao que interessa? O Frank Bar ganhou toda sua notoriedade por causa da sua carta de dinks, eu não sou a maior fã/especialista, mas sai de lá encantada!

Se tiver a oportunidade, o melhor lugar para sentar é no balcão e apreciar como as bebidas são preparadas. Os barmans são atenciosos, principalmente o Marlon, que é um querido e me explicou sempre que tive curiosidade, no meu caso, toda hora rs. Por exemplo, esse Cosmopolitan não está na carta, mas uma mulher pediu e foi feita um releitura, perguntei e acabei pedindo um, que é TOTALMENTE diferente de tudo que já tinha provado. E eu que nem sou fã/especialista de drinks fui totalmente fisgada!

Eu não tirei fotos do cardápio porque eu esqueci, aliás eu já falei que tenho vergonha de ter um blog, né? Então sempre travo na hora das fotos. E também não sei o nome dos drinks por motivos de: ficava de olho no preparo e quando um me chamava a atenção eu perguntava o que era e pedia. Provei 3 drinks, com o preço médio de 30 reais e no final comemos um porção de pastelzinho metade carne de pato (delícia!) e outra metade de brie com geleia (acho que era isso!) que foi uns 40 reais.

Foi uma noite maravilhosa, não é um lugar para ir toda semana, mas vale a pena ir pelo menos uma vez nessa vida!

Pele dos 30 – Bioré, Ada Tina e The Body Shop

Primeiro, feliz ano novo 🙂

Saudades de comprar brusinha, sapato e coisa pra casa na Black Friday, esse ano eu só comprei cremes pro rosto para conservar essa pele de 30 até os 60, pelo menos!

Protetor Solar

Se você ainda não chegou nos 30, um bom protetor solar TODOS OS DIAS é o mínimo. Provavelmente você já deve ter ouvido falar da Bioré, antes só era possível comprar contrabandeando do Japão hahahhahaha, mas agora vende no Brasil na Droga Raia e na Drogasil (mas eu fui em umas 5 para achar!) em três versões. A minha é a Aqua Rich Watery Essence fator 50.

Tudo que está escrito é verdade! A textura dele é muito leve, nunca vi nada parecido, é um gel transparente e quando você passa é absorvido rapidamente. Por ter a textura boa, sinto que uso na quantidade certa, porque não sei se vocês também são assim, mas eu quando ia passar protetor, por causa da textura acabava usando menos que deveria para espalhar bem e tirar a sensação de Sundown na cara hahahahhaha

Uso ele antes da maquiagem o que não altera em nada a textura da base e nem esfarela, só espero secar e parece que nada aconteceu. Não achei que minha pele ficou mais oleosa após o uso, no máximo com mais viço, o que é diferente de óleo.

A única coisa um pouco estranha é o cheiro, meio álcool, meio laranja, meio panetone (?) não sei definir porque há um mix de extratos naturais, como grapefruit, mas também não dura muito. Custou 67 reais e é o melhor protetor solar que já usei na cidade, na praia, em tudo! Ele funciona super bem!

Vitamina C

Tá super na moda, todo dermatologista indica o uso, mas ainda não tinha comprado uma boa* (vai ter a indicação de uma ruim no final do post, aguardem!) e quanto melhor, mais cara. Na Black Friday a Época Cosméticos estava com uma promoção dessa da Ada Tina Pure C 5 de 199 por 55 reais.

Ela tem concentração de 5% de vitamina C pura, o que não é alto, mas se você nunca usou, dá um belo efeito, o que foi meu caso. Ao contrário de muita vitamina C no mercado, ela é ZERO OLEOSA, ela é a primeira coisa que uso na pele pela manhã (recomendação do dermatologista) e absorve MUITO rápido, não tem cheiro e senti a pele mais clara e mais firme. Eu gostei tanto que fico sempre de olho nas promoções da marca e adquiri outro produto que quando usar conto aqui também!

Hidratante noturno

Já falei aqui o quanto sou fã da Body Shop, né? Esse creme é a versão noturna do outro post e ele é AINDA MAIS MARAVILHOSO QUE A VERSÃO DIURNA.

A textura é ótima, dá pra sentir que ele é muito mais intenso que a versão diurna, e de manhã já sinto minha pele mais viçosa e muito mais macia. Ele tem diversos tipos de óleos naturais, inclusive de rosa mosqueta que está super na moda na rotina de cuidados com a pele, tava por 80 reais se não me engano e o pote é grandinho!

Como uso?

Após lavar o rosto o primeiro passo é a Vitamina C espero absorver e passo um Hidratante, uso o amarelinho da Clinique, mas ele sozinho não faz um verão e nem uma pele bonita e apesar de gostar sei que tem outros até melhores e mais baratos por aí! Por último o Protetor Solar – primeiro a gente trata depois a gente protege!

Não vale a pena – Nivea Q10 Plus C Antissinais 

Não conheço uma pessoa que não goste da Nivea, eu mesma amo tudo, então quando vi esse lançamento comprei TODA ANIMADA.

Vejamos o que ele me prometeu (e não cumpriu):“O cuidado avançado do novo NIVEA Q10 Plus C Antissinais combina dois poderosos antioxidantes, coenzima Q10 e Vitamina C pura. Sua fórmula leve e intensamente hidratante é absorvida pela pele durante a noite, deixando-a com aparência descansada e radiante no dia seguinte. Além de aumentar a oxigenação das células proporcionando uma pele revigorada”.

  • Aumento da respiração celular para uma pele renovada.
  • Reduz a profundidade das rugas após 4 semanas.
  • Uma pele visivelmente mais hidratada.
  • Pele renovada

Eu espremi essa embalagem até o final e não vi nenhum benefício! A pele visivelmente mais hidratada que eles dizem, era uma película brilhante e grudenta que minha pele não absorvia, acordava e ela estava do mesmo jeito. Passando muito, pouco, era sempre estranho. Nada de mudança nas rugas e nem pele renovada (coisa que repetem muito no texto, né?). Foi menos de 50 reais, mas não vale nem 5. Melhor comprar o da latinha que faz mais efeito!

Melhores e Piores Livros de 2018

Agora sim o último post do ano! Me veio agora essa ideia porque se tem uma coisa que o Brasil precisa em 2019 é de mais leitores, então se você leu pelo menos um livro que indiquei aqui este ano sinto que estou fazendo minha parte ❤

Vamos lá, não sei como separar exatamente as categorias, então vou fazer de um jeito diferente.

O livro que mais amei: É Assim que Acaba – Colleen Hoover
Eu não tenho certeza dessa escolha e acho que li livros mais marcantes no ano passado, mas esse que já resenhei por aqui me tocou de uma forma diferente, merece ser lido!

Livro que não gostei: Hoje Vai ser Diferente – Maria Sample
É engraçado em algumas partes, preferi terminar logo e não desistir, mas achei super chatinho!

Melhor suspense: Por trás de seus olhos – Sarah Pinborough
Eu não fiz essa resenha aqui! Eu mal lembrava dele, mas vasculhando meu Kindle lembrei da história e NOSSASENHORA leiam!

Como é meu gênero preferido temos menções honrosas: A Mulher na Janela, Preciso Saber (ÓTIMO), A Mulher na Cabine 10, Um Pequeno Favor, Quem Era Ela e deve ter mais alguns na lista.

Melhor livro leve: Asiáticos Podres de Ricos – Kevin Kawan
Eu ia fazer a resenha depois de ver o filme, mas acabou que não assisti, de qualquer forma amei o livro! Leitura leve, história divertida, gostei muito!

Livro que me deixou impactada: Dias Perfeitos – Raphael Montes
Fiz a resenha, suei frio lendo e acho o autor louco/gênio

Esperava mais: A Mulher Entre Nós – Greer Hendricks e Sarah Pekkanen
Eu quis TANTO ler esse livro, eu simplesmente não larguei o Kindle até terminar, mas aí chegou no final e eu quis morrer de tanta decepção!

Não esperava e amei: Tetralogia Elena Ferrante
Eu já tinha começado o Amiga Genial umas duas vezes esse ano e desistido, mas semana passada me forcei a ler e lá para os 20% do livro me apaixonei, sério! Estou no segundo A História do Novo Sobrenome e só largo a série quando terminar os quatro livros!

Auto-biografia-autoajuda: O Ano em Que Disse Sim – Shonda Rhimes
Esse gênero não existe, mas tipo existe! É uma mistura de biografia com autoajuda e esse da Shonda achei ótimo, ela é uma mulher incrível, criadora e produtora de três séries que amo: Grey’s Anatomy, Scandal, e How to Get Away with Murder. O livro é bem divertido e tem umas boas lições.

Romance: A Mulher do Viajante no Tempo – Audrey Niffenegger
Eu não tenho certeza se li neste ano, mas faz tempo que não pego um romance tão lindo quanto esse ❤ quero reler! Do mesmo estilo tem um que também gostei, Em Nossa Próxima Vida.

É arrastado, mas é bom!: A Verdade Sobre O Caso Harry Quebert – Joel Dicker
Dava pra cortar metade das páginas? DAVA! Mas é uma boa história, cheia de reviravoltas que daria um ótimo filme.

Melhor livro que eu não sei em que categoria colocar: Jardim de Inverno –  Kristin Hannah
Chorei com esse livro, ele começa lento, mas não desista, é um livro sobre amor, família, dor e guerra.

Eu poderia passar minha vida indicando livros, espero que gostem e que no seu 2019 tenha um espaço reservado para a leitura!

Dois livros – Thriller

Meu Deuuuuus que eu não sei que título colocar aqui. Dois livros – Suspense (de novo?!) Dois livros com protagonistas femininas (de novo?!) livros sobre violência na infância/adolescência? Me ajuda aí! Os livros são A Boa Filha da Karin Slaughter e Menina Boa Menina Má da Ali Land.

 Sinopse –  Editora Record: A mãe de Annie é uma assassina em série. Um dia, Annie a denuncia para a polícia e ela é presa. Os segredos de seu passado não a deixam dormir, mesmo Annie fazendo parte agora de uma nova família e atendendo por um novo nome — Milly. Enquanto um grupo de especialistas prepara Milly para enfrentar a mãe no tribunal, ela precisa confrontar seu passado. E recomeçar. Com certeza, a partir de agora vai poder ser quem quiser… Mas a mãe de Milly é uma assassina em série. E quem sai aos seus não degenera…

Primeiro:  fiquei até em dúvida se colocava a sinopse aqui porque ela é tipo um spoiler. Segundo: me lembrei que o livro é bem previsível hahahahh é um enredo que me prendeu bastante por toda a complexidade psicológica da personagem principal. A mãe é uma assassina em série, ela está vivendo temporariamente com a família do psicólogo dela enquanto aguarda o julgamento da sua matriarca. No decorrer da história o traço mais marcante é a questão “Uma criança pudesse crescer má? Ou A essência da maldade já nasce em todos nós e é preciso apenas um gatilho para ativá-la?” Annie/Milly é colocada em diversas situações com esses “gatilhos da maldade”. Não espere nenhuma grande reviravolta, todos os casos, por pior que sejam, serão previstos antes por você. Mas novamente, este livro que é narrado em primeira pessoa vai prender sua atenção!

Sinopse –  Harper Collins: 
Quando eram adolescentes, a vida tranquila de Charlotte e Samantha Quinn foi destruída por um terrível ataque em sua casa. Sua mãe foi assassinada. Seu pai um famoso advogado de defesa de Pikeville, Geórgia ficou arrasado. E a família foi dividida por anos, para além de qualquer conserto, consumida pelos segredos daquela noite terrível. Vinte e oito anos depois, Charlie seguiu os passos de Rusty, seu pai, e se tornou advogada, mas está determinada a ser diferente dele. Quando outro caso de violência assombra Pikeville, Charlie acaba embarcando em um pesadelo que a obriga a olhar para trás e reviver o passado. Além de ser a primeira testemunha a chegar na cena, o caso também revela as memórias que ela passou tanto tempo tentando esconder. Agora, a verdade chocante sobre o crime que destruiu sua família há quase trinta anos não poderá mais permanecer enterrada e Charlotte precisa se reencontrar com Samantha, não apenas para lidar com o crime, mas também com o trauma vivido. 

Quando não engreno nenhum livro, sempre procuro algum da 
Karin Slaughter, acho ela incrível e os livros são sempre maravilhosos com grandes mistérios a serem desvendados. Neste livro que eu achei BEM PESADO, tudo de ruim que pode acontecer na mesma história com os personagens acontece, não há apenas um fato grandioso a ser revelado, mas pelo menos uns três desfechos de histórias pendentes são resolvidos de maneira surpreendente. Eu gostei muito da Charlotte e da Samantha, achei as duas com as personalidades mais reais do que qualquer personagem que me deparei nos últimos tempos! Mas, apesar disso tudo, achei algumas partes arrastadas, um pouco repetitivas e quase cansativas. Mas ainda sim é um ótimo livro, levando em consideração aquela observação que eu fiz na minha última resenha, haja estômago!

Não são livros que eu recomento para você ler de férias na praia ou aliás, de férias em qualquer lugar, porque são temas pesados, livros densos, mas para o percurso do trabalho, da faculdade são ótimas opções!