Accademia Del Buon Gusto – A melhor experiência na Toscana

Eu tô devendo um milhão de posts sobre a Itália, mas não consegui organizar as fotos câmera/gopro/celular. Aí fico com preguiça de escrever sem ter as fotos certinhas.

Mas ontem vimos um episódio da sexta temporada Chef’s Table do Dario Cecchini, um simpático açougueiro da Toscana. O restaurante dele fica em Panzano in Chianti, nós estávamos hospedados em Grave in Chianti que fica bem pertinho, olhando as imagens morremos de saudade de um dia frio e chuvoso que pegamos o carro para passear sem rumo por Panzano. E foi um dos melhores dias da minha vida ❤

Primeiro fomos em uma vinícola, a Panzarello. Que parecia estar fechada, paramos o carro, ficamos olhando e apesar de estar vazia fomos recebidos com muita simpatia. Fizemos uma degustação de vinhos e azeite e trouxemos uma garrafa. Já estávamos felizes, mas ainda havia tempo até o almoço. Dei uma olhada no Tripadvisor, salvador da pátria em viagens! E vi que a experiência em primeiro lugar era a Accademia del Buon Gusto.

Sem entender muito bem o que era lá fomos nós! Chegando em uma rua linda estreita e íngreme, fica a simpática e pequena entrada da Accademia del Buon Gusto. Novamente, apesar de ser uma segunda-feira chuvosa e estar vazio, fomos atendidos com a maior simpatia do mundo pelo Stefano, dono do lugar e a maior figura da Itália toda.

O lugar é pequeno e literalmente abarrotado de garrafas de vinhos, logo no início ele nos falou que tinha que ir para Florença em uma hora e meia, aproximadamente, mas mesmo assim faria com a gente a degustação de cerca das 25 rótulos de vinho, todos produzidos em Chianti, além de azeite e chocolates.

Com seu todo seu aparato, seu peculiar chapéu e avental personalizado, cada vez que as taças tilintavam Stefano nos dizia: Wine O’ Clock! Com seu seu ritual cômico e super informativo, ele servia um vinho para o meu marido e outro para mim e nos explicava qual provar primeiro, os aromas, a história da vinícola, sempre acompanhado com crônica das gravuras de um amigo que ele também vende por lá. E assim fomos provando e nos apaixonando por uma infinidade de vinhos. Começamos com os brancos e fomos para os tintos, azeites (os melhores que já provei, porém INFELIZMENTE esquecemos de comprar!), grapa e finalizando com um creme de avelã trufado que era uma coisa maravilhosa!

Mesmo com horário apertado ele não nos apressou em nenhum momento, pelo contrário. Quando falamos que queríamos comprar os vinhos, ele falou que isso era o menos importante, que apenas gostaríamos que a gente tivesse gostado da experiência e que voltássemos um dia.

Mas como sair sem levar vinhos de um lugar tão especial? Compramos três garrafas, um branco, diferente de tudo que já provamos. Um tinto que ele que ele tinha só três exemplares e ele ainda deixou a gente escolher o número de série. E o mais especial, o vinho do próprio Stefano, que além do blend de uvas, também produziu o rótulo e não pelo valor, e sim, pela lembrança, pela experiência e pela história se tornou a garrafa mais valiosa que trouxemos da nossa viagem! Vale lembrar que a degustação não é paga, mas é de bom grado comprar pelo menos um vinho!

Se você for para essa região da Itália faça o favor de visitar o Stefano e voltar cheio de vinhos e histórias pra contar ❤

Livros aleatórios

Depois da biografia da Michelle Obama achei que ia passar por uma grande ressaca literária, mas ainda bem não, porém li uns livros totalmente aleatórios, teve romance e suspense.

O primeiro foi escolhido porque eu queria um livro que me fizesse chorar. Sabe aqueles romances trágicos, era isso que eu queria. Por isso li O Amor Maior do Mundo que conta a história de Ella Beene encontrou a felicidade há três anos, quando parou ao acaso na pequena Elbow e conheceu Joe, que cuidava sozinho dos filhos. Logo os dois estavam casados e a vida parecia perfeita. Até que um dia Joe desobedeceu à sua própria regra – “jamais dar as costas para o mar” – e morreu afogado enquanto tirava fotos nas rochas.


Ella sempre acreditou que Paige, a ex-mulher de Joe, simplesmente abandonara o marido e os filhos. Mas, para sua surpresa, Paige aparece no funeral querendo as crianças de volta. É quando Ella percebe que Joe não lhe contou tudo sobre seu primeiro casamento.


Trilhando caminhos diferentes, as duas mulheres se encontram na mesma encruzilhada, disputando a guarda das crianças que amam e buscando respostas para seus conflitos emocionais.


Apesar do O Maior Amor do Mundo ser mergulho no complexo universo da maternidade com todas suas dores e delícias. Sofri pela Ella, sofri pela Paige. Apesar do sofrimento, não chorei e não é um livro espetacular, mas vale pra passar o tempo.

Eu já li outro livro da Sophie Hannah, fiz a resenha aqui e falei que o final é surreal. No livro Um Certa Crueldade o final não é absurdo, mas é tão sem graça para um história tão boa.


Cinco palavras-chave percorrem o livro ligando as diversas camadas e tramas paralelas da história. Tão importante quanto solucioná-lo é investigar as características psicológicas e emocionais de seus personagens. No caso de Uma Certa Crueldade, a premissa é levada, de fato, para o divã. É no consultório de uma hipnoterapeuta que as histórias de Amber Hewerdine e da policial Charlie se cruzam.

A primeira perdeu sua melhor amiga num incêndio e, desde então, sofre de insônia e ansiedade; já Charlie deseja parar de fumar. Num esbarrão na sala de espera, Amber lê, por acaso, no caderno da investigadora: “Gentil, Cruel, Meio que Cruel”. Pouco depois, sob hipnose, se ouve repetindo essas mesmas palavras aparentemente sem sentido, mas cruciais para a polícia na investigação de dois incêndios criminosos.

Eu amei esse livro, sabe aquele enredo que te faz desconfiar de todo mundo, depois te dá certeza de uma coisa que não é? Então, esse livro tinha um potencial IMENSO, mas os motivos para os acontecimentos são tão frívolos que deu até um desânimo. Se você quiser um livro que seja 90% ótimo recomendo hahahahhahaah

Eu, batom vermelho e o preferido do momento

Eu faço pouco post de maquiagem aqui, mas no auge dos blogs eu tive com mais duas amigas (maravilhosas!) um site somente dedicado ao tema. Ele chamava Amigas Testando e era um sucesso! Acabou porque a gente ficou bodeada de escrever somente sobre beleza e talvez essa preguiça ainda persista em mim, por isso que geralmente escrevo sobre um produto, escrevo uma história junto.

Eu uso batom desde uns 13 anos, comecei a usar para não rachar a boca no inverno e nunca parei. Usava só as cores que minha mãe tinha, sempre marrons. E segui assim, lá em 2007 eu entrei na faculdade e estava com dois amigos em uma farmácia. Lá eu vi o batom 1 da Vult, e pensei, nossa será que vai ficar bom em mim?

100% das pessoas que questionei falaram que não.

PS: Se você me acha toda desconstruída e moderna saiba que aos 18 eu era bem trouxa (aos 19,20, 21,22,23,24,25 também) hahahahhahaa

Mas enfim, eu fui lá com meu dinheirinho contado e comprei o bendito, e nunca, nunca mais na vida parei de usar batom vermelho. Moral da história, seja quem você quiser ser, use o que quiser usar, as pessoas sempre vão te julgar.

Hoje nós somos todas maravilhosas então se quiser usar um batom verde neon, pode ficar tranquila que eu tenho certeza que você ficará incrível ❤

O post também é sobre o meu batom preferido do momento, mas o que mais usei na minha vida foi o 330 da Boticário. Acho que foi em 2008/2009 o boom dos blogs e quando trabalhei com as amigas do antigo blog. Esse batom foi uma febre! Ele é parecido, só que na minha humilde opinião, melhor que o Ruby Woo da MAC, que investi muitos dinheiros e nunca consegui usar por ser extremamente seco. Eu fazia estoque do 330, ele é vendido até hoje, antes custava 13 reais e hoje 23. Acho ótimo quem quiser um vermelho matte pode investir nele (e vou comprar novamente porque fui influenciada por mim mesmo). Ele me lembra a época que tive o emprego mais legal da minha vida e quando eu comecei namorar meu marido ❤

Hoje, veja só, eu levo uma necessaire pequena na bolsa, mas normalmente com uns 4 batons dentro. E eu não sou louca, é vontade de ficar variando hahahahhaha dos 4, 3 são vermelhos. Não sou a maior fã da versão líquida, não gosto da sensação na boca, mas esses da RK by Kiss são ótimos, bem leves, hidratantes e duram bem. O mais claro é o My Pre-rog-a-tive e o outro U Make Me Happy.

Eu falei que viajamos por quase 20 dias com uma mala só, né? Eu pensei, não vou ser a louca do batom! E dois um vermelho e um nude.

O vermelho escolhido foi Batom Volumão – Vermelhe da Quem disse, Berenice? (marca que cobri o lançamento para o blog velho e mora no meu coração <3) . Não, eu nem tenho a intenção de ser a Kylie Jenner nessa vida, mas ele promete um aumento do volume dos lábios instantaneamente porque tem ácido hialurônico na sua fórmula. Com o uso contínuo, aumenta a produção de colágeno e elastina, reduzindo visivelmente os vinquinhos, redefinindo o contorno labial e aumentando o volume da boca. Além disso, ele tem efeito semi-mate, alta cobertura, longa duração e FPS 15.

O batom é cremoso, bem fácil de passar e dá um sensação de “frescor” nos lábios por alguns segundos. Parece um mentol, sabe? A cor é maravilhosa e realmente acho que os lábios ficam mais bonitos. Não espere virar a Angelina Jolie, mas para hidratar vale muito. Tem outras cores lindas e a Quem Disse, Berenice? Sempre faz alguma promoção, então vale ficar de olho porque o preço normal dele é salgado. 45 reais. O meu já está no finalzinho e sei que daqui muitos anos quando olhar as fotos da viagem vou lembrar como fui feliz usando ele.

Use o que te faz feliz!

Livros – Gisele e Michelle

Já comentei em algum lugar deste blog que não sou fã de biografias, mas amei o livro da Shonda Rhimes e fui vencida pela curiosidade e recentemente li as biografias da Gisele Bündchen – Aprendizados e da Michelle Obama – Minha História.

Eu não vou comparar os livros. Ambos são obras de mulheres inteligentes, maravilhosas e que merecem ser exaltadas! (aliás essa dica de não comparar e sim enaltecer vale para mulheres reais também!)

Mas vamos as resenhas, li primeiro o da Gise, é assim que ela é chamada pelos mais próximos e é assim que você acaba se sentindo lendo o livro dela. Vale lembrar que ele é daquele gênero auto-biografia-autoajuda que não existe, mas cada vez é mais comum.

Apesar de compartilhar fotos da infância, contar sua história, expor franquezas e dividir relatos e situações familiares, esse não é o ponto central do livro, e sim, o que ela aprendeu com cada fase da vida. Vida, aliás é o nome da cachorrinha dela em que ela dedica um dos capítulos mais emocionantes do livro.


A Gisele nos mostra no livro que ela não chegou onde está por pura sorte, a carreira dela é resultado de muito trabalho, disciplina e sempre sendo uma profissional exemplar. Mas mas no livro ela passa, principalmente a filosofia e seu estilo de vida. Ela tem uma enorme consciência corporal, uma percepção admirável do Universo e da natureza. Sem falar do respeito, na empatia e amor ao próximo que ela nos passa, e que faz que a gente realmente entenda toda a luz que ela emana naturalmente.

Em Aprendizados ainda é possível encontramos as perguntas que a moveram e movem diariamente. E pode acreditar, são perguntas que podemos encaixar na nossa vida. Confesso que lendo o livro também me senti meio mal, tipo ela é a Gisele Bündchen e ainda pilota helicópteros, tem uma rotina perfeita e eu aqui toda malacaba? Enfim, dá para se livrar do sentimento de culpa e incluir diversas coisas da Rotina Gisele, na Rotina Mulher/normal/quetrabalha/estuda/malha/cuidadacasa/ebebevinho. Recomendo por ser uma leitura leve e ainda tentar trazer boas práticas para nossa vida.

Fora ser esposa do Barak Obama, o que você sabe sobre a Michelle? Eu só sabia que era uma mulher linda e simpática. E isso era tudo.

Em 2009 eu estava de férias do estágio, era um dia estranhamente frio pra janeiro e eu estava na sala da casa dos meus pais acompanhando ao vivo a posse do Obama. Minha mãe me questionou porque eu estava assistindo aquilo e lembro de responder “porque é um acontecimento histórico e todo mundo vai se lembrar disso” ela me mandou continuar assistir no quarto e lembro de me emocionar com o discurso do Obama.

Em Minha História, Michelle nos conta os bastidores desse dia e muito mais. Ela nos conta a construção dessa mulher maravilhosa que ela é. Neste livro a gente conhece a Michelle Robinson ainda criança e toda a sua família, a relação próxima com o irmão e com os pais.

O pai dela é encantador mesmo com todas as dificuldades por causa de esclerose múltipla e nos emociona (e MUITO) do começo ao fim. A mãe dela é tão sábia e tão leve ao mesmo tempo, há diversas passagens dela que me marcaram em uma ela diz aos filhos eu não estão criando crianças, e sim, adultos para o mundo. Sempre ouvi isso da minha mãe também e nunca entendi muito bem, mas ao chegar na fase adulta me dei conta. Há pais que criam os filhos apenas para eles, para serem apegados, para nunca cortarem o cordão umbilical e serem as únicas pessoas na vida do filho. Há pais que criam os filhos para serem boas pessoas, bons cidadãos, bons profissionais para, futuramente, terem sua própria família. E essa é a grande diferença de criar filhos para o mundo. Agradeço meus pais e obrigada mãe da Miche.

Conheci também a Michelle estudante de Princeton e Harvard e vi que estudar pode sim, mudar uma vida. É mostrado um preconceito (quase) velado nas universidades mais famosas do mundo e majoritariamente brancas. As amizades em todos os períodos, a dor de perder a melhor amiga, nessa parte chorei também.

Conhecemos a ótima, bem sucedida e não tão feliz advogada, que em verão espera seu estagiário temporário com um nome estranho e uma ótima fama. Eu consegui ver o jovem Barack pelos olhos da Michelle. Tive um vislumbre daquele homem mal vestido, inteligente e com um sorriso charmoso. Nos trechos que eles se apaixonam eu me apaixonei junto. Como não se apaixonar por eles? Inteligentes, promissores e lindos.

Barack ainda era um estudante de Harvard, também era líder de uma comunidade pobre de Chicago e também era um idealizador. Michelle conta que um dia ela acordou no meio da noite e ele estava olhando pro teto e ela questionou o que ele estava pensando, ele respondeu algo como, na desigualdade social. E assim ele era. Miche também dizia que olhava pra ele e pensava, “esse homem nunca será rico“. Sem grandes ambições para o futuro, Obama gastava seu salário inteiro com livros. E como não se apaixonar por eles?

Um namoro à distância, a relação dos dois com a família, um amor crescente. Barack seguia sem acreditar na instituição casamento, por ver a mãe passar por dois casamentos fracassados, Obama nunca teve esse ideal e uma das partes mais cômicas é o pedido de casamento que ele faz à Michelle.

Depois vem a política, um casamento à distância, a dificuldade de engravidar, um abordo espontâneo, a rotina massacrante de ser mãe, trabalhar e estar a maior parte do tempo sozinha.

Do Senado à Presidência, de Chicago até a Casa Branca. Há muitas curiosidades sobre o dia-dia presidencial e todo seu esquema de segurança. A rotina da filhas e toda a responsabilidade de ser a primeira dama dos EUA.

A Michelle me impressionou pela inteligência, pela força e pela sensibilidade. O livro termina com a surreal eleição do Trump e com a sensação que não é só por aqui que as coisas estão difíceis.

Se um dia eu pudesse escolher alguém para ser amiga no mundo, a família Obama estaria no meu Top 3. Apenas leiam esse livro ❤

Itália – Nosso Roteiro e Pontos Turísticos

Como falei no post sobre as férias, eu amo essa parte pré viagem para organizar tudo, desta vez era pouco tempo, mais coisas para pesquisar, então foquei no básico para não enlouquecer. Cidades e principais pontos turísticos que precisam ser comprados com antecedência.

Sou apaixonada pelo Google Drive e foi lá mesmo que eu fiz esse calendário tosco, porém muito útil para termos um bom panorama dos nosso dias de viagem.

Nosso calendário

O primeiro passo foi definir as cidades que iríamos. Nosso voo era ida e volta por Roma, então decidimos partir para Milão no começo da viagem. Não quisemos pegar o trem pra Milão no mesmo dia com medo do voo atrasar e perdermos o horário da partida, também por cansaço de ter que encarar mais 3 horas e meia no trem depois de um voo longo.

Roma

Chegamos domingo cedinho (depois vou fazer um post só com os meios de transportes que usamos). Fizemos uma horinha e fomos para o hotel descansar. No mundo perfeito, a gente estaria descansado, só tomaríamos um banho e partiu conhecer Roma. Mas na real é que estávamos tortos depois de 12 horas de voo em que mal dormimos.

Lá pelas 15h saímos para passear, nesta primeira parada em Roma ficamos perto da estação Termini, também vou fazer um post sobre todos os hotéis que ficamos, mas já adianto que TODOS menos na Toscana e em Roma parte 2 a nossa prioridade foi ficar perto das estações de trem e foi uma ÓTIMA ESCOLHA.

Neste primeiro dia em Roma foi bem livre, visitamos o Panteão, a Praça Navona e Fontana di Trevi, tudo gratuito e tudo maravilhoso. A Fontana foi nosso primeiro ponto turístico, totalmente perdidos indo para o Panteão, do nada vimos uma multidão, “O que tá acontecendo?!” E lá estava ela, chorei. Chorei, agradeci e ela é mais impressionante que qualquer foto, indescritível esse momento! Durante a viagem fomos diversas vezes lá, e claro, jogamos nossa moeda para garantir a nossa volta!

Milão

Sobre Milão, não é um lugar que amamos. O Duomo é inexplicável, recomendo a ida até Navigli, que é uma região de bares que mesmo em uma segunda-feira de inverno estava lotada. Também acho a experiência de beber um Aperol Spritz, olhando para a catedral é indispensável. Mas só. É uma cidade enorme e foi a única que nos passou uma sensação de insegurança durante toda a viagem. 

Resumo: Se quiser manter a cidade no roteiro, saiba que uma noite é o suficiente!

Veneza

APAIXONANTE! Há nesse mundo vasto da internet quem tenha pavor da cidade. Ela é turística sim, dizem que no verão lota, então recomendo a época que fomos, estava bem ok. Não fizemos nada de especial, não andamos de gondôla, mas fizemos um Free Walking Tour para conhecer um pouco mais da história, nos perdemos inúmeras vezes e tivemos uma vista linda no terraço de um shopping rico chamado Fondaco dei Tedeschi. Também jantamos duas vezes em um dos melhores restaurantes de toda a Itália ❤ (também vai ter post de restaurantes!)

Resumo: Cidade linda, dá para passar uns três dias apenas admirando a beleza.

Florença

Tivemos 24 horas corridas em Florença, de lá partimos para Chianti. Mas deu para aproveitar um pouco da cidade, além do Duomo e da famosa (e assustadora) subida até a cúpula. Conhecemos a Ponte Vecchio, Piazza della Signoria e comemos o melhor panini de toda a viagem.

Resumo: Moraria em Florença!

Chianti

Nossa base na Toscana, nosso momento de descanso na viagem ❤ ficamos três noites no melhor hotel da vida (vai ter post dos hotéis também!) É uma região que vale a pena ir, as estradas da Toscana parecem uma pintura.

Resumo: Quando eu for rica vou ter uma vinícola em Chianti!

Roma – Parte 2

Pegamos um apartamento pelo Airbnb no MELHOR BAIRRO DESSA CIDADE! Trastevere ❤
Castel Sant’ Angelo, que não tinha lido nada antes e foi uma surpresa maravilhosa, recomento MUITO a visita. Fizemos um Free Walking Tour, Vaticano, com seus museus, sua basílica, Capela Sistina e a oportunidade única de ver o papa. Coliseu, Fórum Romano, centenas de igrejas maravilhosas e as melhores pizzas e gelatos do mundo! Ficamos os últimos 5 dias e daria para passar um vida lá!

Resumo: Ficamos os últimos 5 dias e daria para passar um vida lá!

Pontos Turísticos – Ingressos

Sobre os pontos turísticos os que compramos com antecedência pelos sites oficiais foram:

Lugares que não conseguimos visitar porque já estavam esgotados:

Milão – A última Ceia do Da Vinci (esse precisa comprar os ingressos COM MESES DE ANTECEDÊNCIA!)

Roma – Visita completa do Coliseu com subterrâneos e Belvedere – Triste demais! Porém voltaremos para fazer (né, amor?!)

Vaticano – Túmulo de São Pedro e Necrópole, também precisa ser reservado com muita antecedência!

Mesmo sendo bem dividido e sem deixar nossos dias lotados de compromissos, é importante saber que essa é uma viagem extremamente cansativa. Só usamos táxi uma vez, metrô pouquíssimas vezes. Andávamos em média 15 km por dia. Muitas escadas, principalmente no Duomo de Florença. Quilômetros e quilômetros percorridos puxando malas pelas ruas italianas. Então um tênis confortável, muita água, muitos vinhos, um bom preparo físico, pizzas e no mínimo um gelato por dia são essenciais para fazer essa viagem!

Restaurant Week SP e Calle 54

Vocês conhecem o Restaurant Week, se sim vale voltar, caso não conheça vale conhecer!

Presente em mais de 12 cidades brasileiras, a Brasil Restaurant Week é um dos maiores festivais gastronômicos do mundo. Com o objetivo de oferecer o melhor da gastronomia do Brasil e do mundo a preços democráticos, os principais restaurantes do país preparam, durante o evento, um menu especial no qual os clientes podem degustar uma entrada + prato principal + sobremesa por um preço fixo.

No almoço o valor é R$46,90 e no jantar R$58,90, a edição de 2019 vai até o dia 21. Eu que amo conhecer lugares novos acho sempre uma ótima oportunidade. Sexta passada fomos jantar no Calle 54, amamos a culinária argentina e que com saudade de Buenos Aires (fomos três vezes, mas iria mil ainda <3).

No site do RW diz que a reserva é obrigatória, fomos reservar na própria sexta, mas, segundo o site, não tinha mais horários disponíveis. Liguei lá e eles marcaram sem nenhum problema. Ou seja, não acredite na reserva pelo site.

Fomos na unidade do Itaim e todas as outras estão com o mesmo cardápio para o RW.

Entradas:

Choripan com gorgonzola Quatá argentino assado na Parrilla

Empanada tradicional argentina com molho de TABASCO® Chipotle Sauce

Papas Fritas com Creme Azedo e Matambrito

Mini Hambúrguer assado na Parrilla

Principal

Shoulder com Risoto Calle 54

Baby Beef com Salsa Creola, Farofa e Biro-Biro

Milanesa Napolitano com queijo Gouda Quatá com Papas Hasselback

Shoulder Suino, Farofa de Pão com Castanha e Salada de Folhas

Salmão com Risoto de Limão

Sobremesa

Pudim na Lata Calle54

Torta Mousse de Chocolate

Gelato Doce de Leite

Fruta da Estação com Danette Criações

Tava um noite gostosa, sentamos do lado externo do restaurante pedimos uma Norteña que estava super gelada e fizemos nossas escolhas.

De entrada eu pedi Empada, e o meu marido o Choripan, os dois estavam maravilhosos, a gente passaria a noite comendo as entradas hahahahhaa

De principal fui de Milanesa e o Léo de Sholder com risoto. As carnes estavam divinas, arriscamos dizer que o Sholder é uma das melhores carnes que já provamos em SP. Meu Milanesa estava perfeito. Molho delícia, queijo na medida certa e super macio. Agora as partes não tão boas: os acompanhamentos! Minha batata não estava totalmente cozida, então estava dura em alguns pontos e sem sal e o risoto do outro prato estava tão al dente que beirava o cru e também sem muito sabor.

Já as sobremesas, a torta e o gelato, que apesar de derretido, estavam dividas!

Outras opções

Como ainda temos 10 dias tem outros lugares que quero ir. Um que vale muito a pena é o L’Entrecote de Paris o valor fica bem abaixo do normal e é sempre uma ótima pedida, fomos das outras vezes! Quero tentar ir no Paris 6 porque eu pareço fina, mas no fundo sou da zl né? Então quero provar esse hype todo hahahaha

Há a opção Premium também, que onde o almoço custa R$68 e o jantar R$89. Tem boas opções que já fui e recomendo como a Tartuferia San Paolo (maravilhosa!) e o
L’Entrecote d’Olivier que vale mais ir no jantar já que nessa opção a batatinha é ilimitada, no almoço é só uma porção e elas são tão maravilhosas que é melhor comer até ficar feliz hahahhaa

Curso Básico de Vinhos – ABS SP

Que eu amo vinhos você já deve ter percebido. O meu sonho dourado, guardado no fundo do peito e que você não sabe é: que eu gostaria de trabalhar, futuramente, com algo relacionado à isso.

Durante a viagem de Mendoza, sempre encontrávamos grupo de pessoas legais nas vinícolas quando perguntávamos de onde eles eram 100% da respostas eram, “ah somos um grupo de amigos da ABS“. Nem sabia o que era, mas também queria fazer parte disso.

A ABS é a Associação Brasileira de Sommeliers e ao contrário do que pode parecer, ela não é somente para vinhos, há diversos cursos em diversas áreas, por exemplo, café, gin, charuto e muito mais.

No final do ano passado eu e meu marido nos inscrevemos no curso
Introdução ao Mundo do Vinho que é uma porta de entrada nesse fascinante mundo, é o mais abrangente e completo curso de introdução ao mundo do vinho. Com informações e curiosidades gerais sobre este universo tão vasto, porém de forma leve e descontraída.

O curso é composto por 8 aulas semanais. A minha turma era bem grande, umas 60 pessoas e confesso que antes da primeira aula me deu um receio, pensei “Será que não a mesma coisa que escutamos nas visitas em vinícolas?” Já nos primeiros 5 minutos já fiz que era algo totalmente diferente do que já havia aprendido.

As aulas foram divididas nos seguintes temas:

  • Princípios de degustação de vinhos, uso do copo
  • Aspectos históricos e importância social
  • Uvas viníferas
  • Da parreira à garrafa
  • O serviço do vinho
  • Relação preço-qualidade
  • Fatores na decisão de compra de um vinho
  • Noções de compatibilização eno-gastronomia

TODOS professores da ABS são incríveis, a aula que deveria terminar 22:30h, não raramente se estendia até às 23h, 23:30h. Ninguém queria ir embora!

Em todas as aulas são degustados 4 vinhos. O que a gente não sabia no começo que o ideal é degustar a taça e deixar um pouco de vinho para comparar com os outros e ver as mudanças no aroma depois da bebida decantar um pouco. Ou seja, muita calma na hora de beber rs

Além das 4 degustações também havia sempre pães e água para limpar o paladar. Os materiais de todas as aulas e as fichas dos vinhos degustados, com nome, ano e preço é enviada por e-mail.

Técnicas de degustação, apurar o olfato, paladar e até mesmo a visão. Identificar taninos, acidez, corpo, persistência, foram apenas alguns dos ensinamentos valiosos deste curso. Mas outros são imensuráveis. Escrevemos páginas e páginas do nossos cadernos e sempre que temos alguma dúvida recorremos a eles.

O único problema desse curso foi ser na segunda-feira. A ABS fica na Vila Olímpia e o curso acaba entre 22:30, 23:30 e ficávamos casados. Mas vendo a taça meio cheia, era um jeito da semana começar bem mais feliz!